(clicar na imagem) ALGARVE ONTEM

(clicar na imagem) ALGARVE ONTEM
videopoema sobre o Algarve de Ontem e notas etnográficas sobre as actividades da época

O LADRAR DO MERDOCK

Clicar na imagem de Algarve Ontem
(em cima)


Não se assustem com o ladrar do Merdock.
Ele só embirra com polícias, guardas fiscais,
guardas republicanos e outras fardas!...



sexta-feira, 23 de março de 2007

OS NOMES E OS NÚMEROS (2)


À cabeça, o "Bomba", já anteriormente referido. E que dizer do José Viegas Felipe e do Campinas, que deram 25 tostões cada um (!!!!!....), para libertar o cão?
Depois, o Vidal, para todos efeitos, o principal protagonista da saga do Merdock. Foi ele quem salvou o cão dos temíveis homens do laço, no Café Aliança. E foi aí, que, certamente, toda a história começou.
Mais abaixo pode ler-se o nome completo do Zé Rijo, infelizmente já falecido. Personagem única, boémio, contestatário assumido a tudo quanto fosse Estado Novo, Mocidade Portuguesa, Igreja, restrições à liberdade, ao livre pensar e suas múltiplas expressões artísticas ou simplesmente básicas, populares.
Conviveu durante anos com outros eméritos boémios, em Lisboa, para onde fora estudar arquitectura. Dormiu à corda, foi preso por mais de uma vez, pelo regime, era conhecido nos bares por sair dum, para entrar noutro, sempre com um copo na mão! Foi amigo de peito do Luiz Pacheco, escritor, cronista, um dos mais insignes licenciosos e desbragados do seu tempo, autor dos "Textos Malditos" e de "O Libertino Passeia por Braga", editor de Sade, crítico literário.
O Zé Rijo - a mais de cinquenta anos de distância, penso isto, com convicção -, não andou só por andar na manifestação, exigindo a libertação do Merdock. Ele, leitor de Sartre, Camus e outros filósofos modernos, anti-militarista, defensor de todas as liberdades cívicas e políticas, sexuais e laicas, terá sido um dos que, conscientemente, aderiu à ideia, para enfrentar e denegrir a autoridade do estado.
Mais abaixo estão os nomes do Palaré e do Picanço, dois entusiastas do Merdock, desde a primeira hora.
Me desculpem os outros, que também tiveram o seu papel em toda a estória, e para quem, o fluir desses acontecimentos empolgantes, terá resultado nalguma influência nas suas posteriores tomadas de posição. Mas os citados sempre foram conhecidos de todos, nesse tempo do antigo Liceu, nos anos do cão mais célebre de Faro.
Enviar um comentário
Merdock era um cão singular
e deu origem, em Faro,
a uma extraordinária
manifestação de solidariedade
que culminou na sua libertação.
Aqui se relembram
os factos e as personagens
envolvidas.
Veja também o meu blog de poesia