(clicar na imagem) ALGARVE ONTEM

(clicar na imagem) ALGARVE ONTEM
videopoema sobre o Algarve de Ontem e notas etnográficas sobre as actividades da época

O LADRAR DO MERDOCK

Clicar na imagem de Algarve Ontem
(em cima)


Não se assustem com o ladrar do Merdock.
Ele só embirra com polícias, guardas fiscais,
guardas republicanos e outras fardas!...



quinta-feira, 8 de maio de 2008


SALINAS


- LINA!...Lina!... És tu… Reconheci-te, manténs os traços de antigamente… Sou o Bartolomeu, filho do António da aldeia das Pedreiras… de Messines… Lembras-te? Vim com os meus pais viver para Faro, para a rua Cruz das Mestras, uma casa do teu avô…

- Eh!!!... Há quantos anos!!... És o desaparecido. Abandonaste a tua família, nunca mais deste notícias…

- Tinha 18 anos, não me deixavam viver. Como está o Dinarte, o teu irmão, os teus pais? Senta-te, tenho a mesa na esplanada do Aliança.

Marquei uma hora ao táxi, para me levar ao aeroporto. Vivo em New York, vim a Portugal despedir-me da vida. A minha mulher ficou em Lisboa, quis vir sozinho reviver Faro, vim de manhã e vou agora.

- Queria que fosses a minha casa. Estás doente?

- Nada de importância… Tenho andado por aí, não consegui passar pela casa onde vivi, mas andei pela R. de Santo António, Liceu, Alameda, …Salinas do Neves Pires. Grande decepção, está tudo abandonado, era enorme, ia até ao Bom João, trabalhavam lá imensas pessoas… Vim a Faro, propositadamente, para rever as salinas, aquele local ajudou a dar uma volta de 360 graus à minha vida… Sofri tanto ali, que tudo abandonei, sem olhar para trás.

- Realmente, a tua mãe exagerou.

Tens filhos, casaste, o que fazes?

- Estou muito bem, tão rico como um rei, tenho filhos e netos.

Olha, o táxi já está à minha espera, tenho de ir. Dá um abração a todos. Gostei de te ver…

- Eu adorei. Felicidades.

Como a vida é!!... Prega-nos cada partida…

Este primo, 2º ou 3º grau de parentesco, veio para Faro fazer exame de admissão ao Liceu, há quase 60 anos. Ele não queria estudar, era apaixonado pela mecânica. Montava e desmontava tudo o que apanhava, levando os pais ao desespero. A mãe, doméstica, impôs a vinda para Faro, para o seu filho único estudar, porque na aldeia não tinha hipóteses. Ambicionava, doentiamente, a promoção social, mesmo que fosse através do filho, que haveria de ser doutor.

Arrendaram as terras, vieram para a capital, o pai arranjou um carro de besta e começou a fazer fretes de transporte de mercadorias e mudanças de casa.

O Bartolomeu levou 5 anos para fazer o exame do 2º ano, com aprovação. Quando ingressou no 3º ano, a mãe sentenciou, que se reprovasse, iria trabalhar no duro, para aprender o quanto custa a vida e desejar voltar aos estudos. No final do 2º período, estava reprovado por faltas. Em Abril, com 17 anos, Bartolomeu vai trabalhar para as salinas do Neves Pires, com a recomendação da mãe, para o exporem às tarefas mais pesadas. Vestido com umas velhas calças arregaçadas, uma camisola de alças, uns sapatos de lona, um chapéu de palha e com uns grandes óculos escuros, ninguém o reconheceria… Por vergonha, deixou de passar pela R. de Santo António e ir a lugares de convívio, encontrar-se com colegas. Levava numa cestinha o almoço, ia logo pela manhã e regressava à noite, estoirado, ganhando à jorna, e tendo de dar à mãe metade, para pagamento das refeições.

Salinas, local de inferno, onde existiam reservatórios rectangulares, talhos, com água salgada do mar, que se evaporava, retendo o sal, que nela estava dissolvido. O trabalho era sazonal, todas as técnicas eram artesanais, com o aproveitamento da energia solar, com a acção do vento e o labor do salineiro. Na década 40, dependia-se do sal, principalmente para a conservação de alimentos (não tínhamos frigoríficos), mas não se valorizava o trabalhador. As diferentes tarefas, nas salinas, desenrolavam-se num clima diabólico, em pleno Verão, nas horas de calor intenso, quando o sol reflectia na brancura dos cristais de sal. A pele tisnava, deixando as marcas dos óculos de sol, indispensáveis à protecção dos olhos. Toda a colheita era manual, feita com o rodo de madeira, arrastavam o sal e deixavam-no nas margens dos talhos, escorrendo ao sol, para perder o excesso de humidade. Para facilitar a safra, trabalhavam descalços, os pés nus, enfiados naquela água moira, ou calcando o sal e carregando-o, às costas, em canastras cheias, a serem encaminhadas para o local de concentração – as serras de sal. Aconteciam ferimentos, com bastante frequência, que eram de difícil cura e muita dor.

O Bartolomeu transformou-me no seu porto de abrigo, era comigo que derramava toda a sua mágoa. Escutava-o, chorava com ele e mais tarde, quando ele fugiu, arrependi-me de não lhe ter proporcionado auxílio concreto. Os pais eram soberanos, o que impunham era para ser cumprido, não havia o hábito da contestação. Ainda falei com a minha mãe, ainda alvitrei uma sensibilização ao primo António, mas não resultou.

- Bartolomeu, desiste – disse-lhe um dia.

- Não.

Aguentou… até que desapareceu, nunca mais se soube dele.

Os pais regressaram à aldeia e morreram de tristeza!!...

Lina Vedes - 25 Março 2008

Enviar um comentário
Merdock era um cão singular
e deu origem, em Faro,
a uma extraordinária
manifestação de solidariedade
que culminou na sua libertação.
Aqui se relembram
os factos e as personagens
envolvidas.
Veja também o meu blog de poesia