O LADRAR DO MERDOCK

Clicar na imagem de Algarve Ontem
(em cima)


Não se assustem com o ladrar do Merdock.
Ele só embirra com polícias, guardas fiscais,
guardas republicanos e outras fardas!...



segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

LIVROS E LIVRARIAS

.

O PREÇO DOS LIVROS

Uma pausa no conteúdo do blog, para falar de livros e edições.

Os livros, tal como as coisas se apresentam, não podem prescindir das livraras. No entanto, os custos são incomportáveis, se considerarmos pequenas edições, de autores desconhecidos ou pouco conhecidos. Essas edições são pequenas, e os custos aumentam, por unidade, à medida que desce o números de exemplares dados à estampa.

Para chegar à livraria, há dois caminhos: uma distribuidora, ou o próprio autor a colocar os seus livros. As distribuidoras (muitas vezes duvidosas) cobram entre 30 e 40% sobre o valor do livro, enquanto que as livraria cobram mais uns 25, 30, ou mais por cento, sobre o preço de capa. O pobre do autor não terá possibilidade de colocar ele mesmo, os seus livros, a não ser em livrarias do local onde viva, e pouco mais.

Acresce dizer que muitos livreiros não aceitam pura e simplesmente livros “à consignação”, destes autores.

Começa a vislumbrar-se a possibilidade da colocação de livros à disposição do leitor, na INTERNET. É o que estou a fazer (pela primeira vez) com o livro “Merdock”, e até me posso “dar ao luxo” de oferecer um outro livro (“Como um Relógio de Areia” – poesia), a quem pretender este. Dois livros por 5 euros é menos do que eu teria de pagar a livreiro e distribuidora, não sendo certo que, no fim, recebesse deles, fosse o que fosse pelos livros vendidos. Aconteceu-me mais que uma vez.

Também tenho recebido vários pedidos de confrades brasileiros. Mas os portes, para o Brasil, são quase tanto como o valor do livro. E depois, para efectuar o pagamento, será necessário transferência bancária que custa outro tanto, mais o tempo perdido lá e cá, para enviar o dinheiro e o receber. E este é apenas um aspecto da política de intercâmbio cultural, entre os países lusófonos, tão propalada como necessária, pelos nossos dirigentes.

.

Enviar um comentário
Merdock era um cão singular
e deu origem, em Faro,
a uma extraordinária
manifestação de solidariedade
que culminou na sua libertação.
Aqui se relembram
os factos e as personagens
envolvidas.
Veja também o meu blog de poesia